AFINAL, AGORA TUDO É STORYTELLING?

Quer mais resumos? acesse o nosso canal.

Sempre que se tenta restringir algo abstrato a um conjunto de palavras, acaba-se entrando na situação de uma noite fria com um cobertor curto: ou o pé vai ficar descoberto, ou os ombros, ou o conceito vai ter que ser encolhido para caber.

Há diversas definições sobre storytelling, o que, inclusive, é um problema que acaba confundindo o mercado brasileiro. storytelling é um termo em inglês que traz duas informações fundamentais: Story – que é a construção mental feita de memórias e imaginações que cada pessoa tem sobre uma determinada história – e o Telling – que é uma versão da história expressa por um narrador.  Uma só Story pode gerar um grande número de Tellings. O Conde Drácula foi um só, mas muitos autores deram versões diferentes.

Por isso, para algumas pessoas, storytelling pode ser apenas contar uma historinha qualquer. Mas é possível ir muito além.  Vale lembrar que a prática de contar histórias é pré-histórica, o que significa que antes mesmo de poderem ser registradas, as histórias já eram transmitidas oralmente. Inventamos o storytelling para não termos que reinventar a roda a cada geração.

Com o passar do tempo, essa prática de contar histórias foi se tornando cada vez mais complexa e até por isso tão difícil definir. Um humorista que conta uma piada está contando uma história tanto quanto um romancista que escreve uma saga com sete livros. Além disso, algumas pessoas vão levar em conta o aspecto emocional que uma narrativa pode promover, afinal, quem nunca foi ao cinema e saiu com um nó na garganta?

Outros autores vão considerar mais o poder de argumentar sem ter que racionalizar, já que você só conta uma história e deixa que a audiência decida por conta própria o que fazer com essa informação que foi transmitida.

Quem assiste aos seriados modernos como Dexter, Dr. House, Homeland, Game of Thrones, House of Cards, Breaking Bad e tantos outros, sabe que é difícil decidir se o protagonista é “bonzinho ou malvado”, se ele está certo ou errado. Essas decisões os roteiristas e diretores deixam para a audiência responder.

Storytelling como disciplina empregada pelas organizações e seus prestadores de serviço é algo mais recente, surgiu inicialmente nos relatórios de tendência internacionais como Iconoculture, WGSN e Trendwatching em meados de 2005.
Até por isso complica ainda mais sua classificação.

Muitos autores consideram o storytelling como uma ferramenta para marcas e negócios. Há os que focam no storytelling como o registro de relatos de histórias de um determinado público. Existem estudiosos especializados em narrativas como forma de aperfeiçoar a comunicação. Finalmente, muita empresa vai dizer que “fez um storytelling”  porque isso ajuda na hora de divulgar. Soa como algo “in”.  Esse processo começa nas agências, que conseguem aprovar o projeto com o cliente com mais facilidade ao dizer que “isso aqui não é um projeto qualquer, é um projeto de storytelling”.

Esse é o problema de aplicar storytelling como um instrumento ou ferramenta: a empresa irá compreender apenas uma parte de um composto de técnicas. Storytelling vai muito além da utilização do léxico, do uso de um personagem, de expressão através a linguagem de quadrinhos ou de transmitir uma mensagem com começo, meio e fim ou mesmo de fazer um videozinho emotivo. Pensar storytelling como uma ferramenta pontual é como comprar um aparelho celular, mas não contratar uma operadora.

Até por isso prefiro a definição de que storytelling não é apenas contar histórias. O Storytelling – escrito assim, com S capitular – é uma metodologia que implica saber contar uma história fabulosa, de forma fantástica, com um propósito messiânico.  O que quero dizer com isso é que não basta contar de qualquer jeito uma história aleatória que não leve a nada.

Para ser prático, aplico sempre dois critérios, um para a audiência e outro para o executivo. Para a audiência pergunto: se você tivesse pago para ler/ouvir/ver essa história, você recomendaria aos amigos ou pediria o dinheiro de volta? Para o executivo pergunto: essa história traduz o diferencial do seu produto e o valor da sua marca? Se o executivo não responder sim duas vezes e a audiência não recomendar, não considero que seja Storytelling com S capitular.

Com esse critério, podemos dizer que o Storytelling ainda engatinha. São poucos os cases que realmente conseguem passar por esse filtro.

Artigo publicado inicialmente no portal Administradores.

Quer saber mais sobre Storytelling? Leia o artigo completo

O MUNDO DO STORYTELLING

Quer mais resumos? acesse o nosso canal.

Uma questão que incita as conversas mais acaloradas entre aqueles que estudam e contam histórias é a tentativa de definir “afinal, o que é e o que não Storytelling”. Alguns advogam que o termo só faz referência a histórias narradas oralmente e ao vivo, outros defendem que se trata de uma técnica publicitária para vender mais ou uma técnica corporativa para líderes engajarem suas equipes, também é possível encontrar quem diga que Storytelling é o coração de todas as artes e existem ainda quem discorde de tudo isso. 

Todos estão certos e errados ao mesmo tempo. Storytelling pode assumir qualquer uma das formas descritas amteriormente, mas não se define como uma ou outra coisa. Storytelling é o ato de saber encontrar ou criar histórias fabulosas, com propósitos épicos e contá-las de forma fantástica.

O simples ato de contar histórias participa de nossas vidas, todos os dias. Contamos histórias na mesa de café da manhã, no bebedouro durante o intervalo do trabalho, no café, nas reuniões, acompanhando uma cerveja nos encontros com amigos. É algo que fazemos desde quando morávamos em cavernas e que evoluiu ao longo dos milênios. 

 Quem estuda Storytelling é para aprender a escolher melhor suas histórias e a encantar mais a fundo suas audiências. Não é por acaso que se trate de um campo muito vasto. Digamos que Storytelling poderia ser um mundo inteiro. Aí poderíamos dividir os assuntos em termos de continentes e  países.

Um grande continente desse mundo do Storytelling é o que tem relação com o ambiente dos negócios. Nesse continente, um dos maiores países tem a ver as técnicas de como contar histórias de empresas ou marcas. Na capital desse país estão dezenas de produtoras que buscam tornar a publicidade mais dinâmica e interessante. O país vizinho tem a ver com as histórias ilustradas por slides e narradas durante apresentações corporativas, centenas de empresas se especializaram nesse segmento. A capital desse país de apresentações trata de como usar narrativas para tornar palestras mais interessantes e memoráveis para audiências. 

Entre esse primeiro continente e um segundo existe uma grande ilha, que faz lembrar a Groelândia. Esse território diz respeito ao Storytelling na educação, afinal, professores também podem contar histórias para deixar suas aulas mais envolventes. Storytelling nasceu justamente para transmitir conhecimentoa, há milhares de anos, ao redor de fogueiras.

O continente mais desenvolvido fica no centro do mapa mundi e envolve Storytelling aplicado ao entretenimento. Esse continente é composto por diversos países: Storytelling na literatura, no cinema, nos quadrinhos, nos games, na dramaturgia e até nas artes plásticas. Toda forma de expressão artística recorre às técnicas narrativas e está congregada aqui. Esse continente tem as técnicas mais evoluídas, até por viver justamente de cobrar para que as pessoas tenham acesso às suas histórias. Isso faz com que estudiosos peregrinem de todas os outros continentes para buscar o conhecimento. 

Um terceiro continente é o inverso: ao invés de técnicas de Storytelling aplicadas, são técnicas aplicadas ao Storytelling. Esse é um território de comerciantes que tratam os conteúdos como se fossem produtos de consumo. Os habitantes dessa região vivem se perguntando “como fazer para que as pessoas se interessem por uma história?” A busca deles é por encontrar formas de fazer pessoas saírem de suas casas, enfrentarem trânsito, irem aos cinemas e pagarem para ver um filme porque ficaram curiosas; ou de fazer navegantes da internet buscarem saber mais sobre um livro ou seriado.

Enfim, diante desse mundo de possibilidades, o que te atrai e te interessa? Se tudo interessou, então compre uma passagem para dar uma volta ao mundo, mas saiba de antemão: essa é uma jornada para a vida toda.

Este artigo foi publicado inicialmente no Portal Administradores.

Quer saber mais sobre Storytelling? Leia o artigo completo

STORYTELLING NO AGRONEGÓCIO

Quer mais resumos? acesse o nosso canal.

Um momento curioso da semana. Estava num restaurante com amigos e um deles comentou com o garçom que só queria carne se fosse Angus. Outro amigo ficou curioso, perguntou se dava para notar alguma diferença. Entramos em uma conversa que tem muito a ver com a aplicação do Storytelling no agronegócio.

Mas antes de falar disso, vale uma explicação sobre percepção. Daria para escrever um livro sobre isso, mas vou arriscar ser direto ao ponto. O fato é que nada por si só tem valor. Um diamante nada mais é do que um mineral. Só é caro porque todos resolvemos concordar que o mineral diamante é mais valioso do que o mineral ametista ou o minério de ferro. A questão é: por que decidimos dessa forma?

Alguns podem dizer que é pela raridade do material. Mas se for seguir por essa lógica, então o cupim deveria ser um dos cortes mais caros de um boi. Já que um abate rende 2kg de cupim e 10kg de alcatra, por exemplo.

Então pode ter a ver com o fato de que dependendo da região do animal, a característica da carne muda. Nesse caso, por que um presunto espanhol Pata Negra custa dez vezes mais do que o presunto nacional? Afinal, ambos são feitos do pernil do porco.

Podemos ser levados a pensar que a variação de preço é devida ao processo de fabricação, muito diferente nos dois casos. Mas como fica o caso do vinho? Afinal, com ingredientes e processos semelhantes, a variação de preço entre vinhos pode ser duzentas vezes maior.

Storytelling ajuda a responder todos esses questionamentos: atribuímos valor às coisas (e até mesmo às pessoas) de acordo com as histórias que nos contam sobre elas. Tem vezes que a história pode estar focada em processo de produção, tem vezes que a história gira em torno das características da matéria-prima… já catalogamos 20 diferentes tipos de histórias que as marcas e os mercadores nos contam. Tem vezes que uma história é combinada com outra, formando um enredo com essas histórias, um commodity assume um patamar de valor diferenciado.

No mundo do agronegócio, uma das histórias mais marcantes é a de denominação de origem controlada. Algo que só pode levar aquele nome se for produzido numa determinada região. Por exemplo a champagne, que pra ser champagne, tem que ser feito na região francesa de Champagne. Para não ficar para trás, outras regiões de outros países inventam variações… a Itália por exemplo tem o Lambrusco na região de Emilia Romagna e o Prosecco na região do Vêneto. Nesse caso, não é apenas uma mudança de nome, mas o tipo de uva é diferente de um para o outro. O mesmo acontece com os queijos gorgonzola na Itália e roquefort na França.

A mesma coisa acontece com o vinho do Porto. A variação espanhola é o Jerez, palavra que deu origem à variação inglesa Cherry.

Moral da História: se você trabalha com agronegócio, busque uma história que torne o seu produto mais específico. Produtores, por exemplo, podem se articular para conseguir o selo DOC para algum produto típico de sua região. Outra possibilidade seria inovar no processo e explicar pras pessoas a diferença que isso faz no produto final. É exatamente isso que fazem os autores de filmes, livros e seriados: as jornadas de um herói são muito semelhantes, mas os autores sempre buscam um jeito de criar as histórias e os personagens com algo inédito com relação a tudo o que já foi contado.

Se você conhece outros exemplos de aplicação de Storytelling no agronegócio, comente abaixo. E se quiser dicas de algum outro segmento, conte pra gente. Se quiser ajuda pra contar sua história, conte com a gente 😉

Este artigo foi publicado inicialmente no Linkedin

Quer saber mais sobre Storytelling? Leia o artigo completo

DA MISTURA DE STORYTELLING COM PLACE BRANDING SURGE O CONCEITO DE STORYRUNNER

Quer mais resumos? acesse o nosso canal.

Dizem que não é bom escrever um post conceitual. Afirmam que as pessoas só querem saber de aplicações práticas. Defendem que o certo é fazer listas das 10 Coisas Que Podem Mudar Radicalmente Seu Negócio. Pela quantidade de listicles por aí, talvez seja verdade. Mesmo assim, esse post não tem listas. Mas com certeza pode ajudar a ver o seu negócio de outra forma. Vem comigo.

Se fosse para fazer uma lista, teria sido algo na linha de 5 Conceitos Que Você Precisa Conhecer. Uma das principais ferramentas de quem trabalha de frente para o computador é saber onde começa e onde termina um conceito. Mas existe um problema nessa tentativa de delimitar e definir. Por definição, as definições são sempre reducionistas.

Basta ver o exemplo de Storytelling. Pela definição da Neurociência (outro conceito), Storytelling é a forma de comunicação que mais estimula o cérebro e por isso garante maior lembrança dos dados transmitidos. A Antropologia (uma disciplina, que não deixa de ser um conceito) reforça essa ideia ao dizer que Storytelling foi a forma principal de difusão de cultura e conhecimento em todo o decorrer da Humanidade. Se quisermos simplificar, podemos dizer que Storytelling é o simples ato de contar histórias. Mas é mais do que isso.

Se olharmos sob a ótica do Marketing, Storytelling é contar uma história para atingir um objetivo de vendas e persuasão. Acontece que ninguém paga ingresso de cinema pelos 5 minutos de propaganda antes do filme. Storytelling tem mais a ver com o filme de entretenimento do que com o filme publicitário. Se Storytelling tem um objetivo primordial é o de encantar, de formar fãs. O que também não quer dizer que todo e qualquer filme ou livro conte boas histórias.

Quantas vezes você não saiu do cinema com uma sensação de frustração? De achar que os dois minutos do trailer foram melhores do que os noventa do longa-metragem? Nesse sentido, Storytelling é saber agarrar a audiência logo na primeira frase e não soltar até o ponto final… e ainda deixar todos em estado de reflexão depois da sessão. Muito do poder de encantamento só acontece depois do agradecimento dos atores aos aplausos da plateia. Quem nunca ficou com vontade de ir à Paris depois de reviver mentalmente os cenários de um filme romântico?

Aí que entra o Place Branding, que anda de mãos dadas com Destination Marketing. Mais dois conceitos. O primeiro tem a ver com a consolidação da marca de uma cidade ou país, que vai desde o Design de Logomarca até o estabelecimento do “clima” que cidade deve causar nos potenciais turistas e importadores: a cidade é arrojada? Ou seria clássica? Ou seria histórica? Ou seria luxuosa? Ou talvez cercada pela natureza…?

O conceito de Destination Marketing está ligado às ações capazes de atrair turistas, desde o desenvolvimento de pontos de atração até a divulgação do destino em outras praças. Você está no Brasil e vive vendo anúncios de outros países como Cuba ou Colômbia… O problema é que nem sempre as duas coisas estão alinhadas. A cidade pode ter um clima romântico e o material de promoção ressalta a beleza natural da região. Isso gera confusão e frustração.

Volta à cena o Storytelling. Ao pensar o destino através de um enredo, fica mais fácil de desenvolver um material promocional que coloca um personagem para viver a experiência posicionada pelo Place Branding. Já escrevi sobre o exemplo do cineasta Woody Allen, que há mais de uma década vem colocando essa ideia em prática.

O Sebrae de Minas Gerais também entendeu essa ideia e me convidou a propor um projeto nesses moldes para a cidade de Ouro Preto e a Associação dos Hoteleiros ABIH foi a primeira a se dispor a ajudar. Foram meses de conversas e planos, até que a ideia ganhou forma e se tornou uma engrenagem: articular, conversar, pesquisar, criar, escrever…

Isso não é tarefa para uma só pessoa, mas de uma grande equipe, que vai desde a pesquisa até a produção da obra. É preciso juntar esforços. A editora é outra parceira nesse projeto. No caso dos seriados, que tem equipes tanto de roteiro quanto de direção, entra em cena o papel do Showrunner (um conceito relativamente recente) que é a pessoa que guia a história. Nem sempre o Showrunner é o autor da ideia original. O Showrunner do seriado The Walking Dead não é quem criou a versão original da história em quadrinhos.

Acontece que o projeto em questão não é um filme nem um seriado e sim um livro. Obras literárias costumam ser feitas por uma só pessoa, o escritor, que leva meses e até anos para lançar a obra. No mundo das marcas – mesmo que seja a marca de uma cidade – esse prazo não existe. Ainda mais quando o livro em questão tende a se desdobrar em uma plataforma trasmidiática (juro que esse é o antepenúltimo conceito). Foi assim que surgiu a ideia do conceito central do post: o Storyrunner.

Antes de falar do Storyrunner, vamos tratar do último conceito do post, a Franquia Cultural, que deixei para o final por se tratar de algo importante, já que faz com que as histórias passem a ser vistas como tendo valor tangível, estimável e reproduzível.

O Storyrunner é o Showrunner de uma Franquia Cultural que nasce pensada dentro de uma plataforma transmidiática. Na prática, a história nasce maior do que uma única mídia. O livro, por exemplo, pode continuar seu enredo em um filme de cinema ou parte da história que só ficou pontuada no texto literário pode ser aprofundado nas páginas de um quadrinho. O Showrunner é quem deve pensar tudo isso. Pensar, planejar, coordenar e executar.

Se você trabalha em uma empresa e quer entender melhor como contar histórias ou se você trabalha com turismo e quer saber mais sobre essa metodologia, mande uma mensagem e vamos conversar.

Agora se só tiver curiosidade para saber o que vai sair da combinação de todos esses conceitos, acompanhe os próximos capítulos dessa jornada:

Diário de Bordo feito pelo personagem fictício W. Dáblio no Facebook.

Dicas secretas de Ouro Preto pelos ouropretanos no Dubbi.

A Fanpage criada para o projeto, com histórias contadas por pessoas na cidade.

Este artigo foi publicado inicialmente no LinkedIn

Quer saber mais sobre Storytelling? Leia o artigo completo

CASES E IDEIAS DE COMO APLICAR STORYTELLING

Está sem tempo para assistir? Ouça o resumo: https://youtu.be/P5xOVycP09g

Quer mais resumos? acesse o nosso canal.

Muita gente ouve falar sobre Storytelling, mas não tem ideia de como seria a prática dessa história de contar histórias. Então fizemos um vídeo com exemplos de projetos que já fizemos e que podem servir de inspiração para a sua marca. Executivos, profissionais de RH, Marketing e Comunicação podem tirar muito proveito desse vídeo. Os criativos também vão curtir. Então se você quer tornar a comunicação da sua empresa mais interessante, se quer ter melhores ideias e saber como apresentá-las de formas a prender a atenção e conquistar a audiência, esse vídeo é pra você.

Quer saber mais sobre Storytelling? Leia o artigo completo

FUNDAMENTOS DO STORYTELLING

Está sem tempo para ler? Veja ou ouça o resumo: https://youtu.be/P5xOVycP09g

Quer mais resumos? acesse o nosso canal.

Começando pelo conceito: o que é Storytelling?

Se eu tivesse que escolher apenas uma informação de todo o curso, seria essa aqui: Story é uma coisa, Telling é outra.

Para entender melhor, vamos à tradução de StoryTelling. Story significa história. É a parte abstrata do conteúdo. Cada pessoa carrega em si uma versão diferente da história. Isto porque as histórias só existem dentro de nossas mentes, e são feitas de memórias e de imaginação. Story é a morada da criatividade. Assim como o fogo da fogueira, ninguém pode manipular, já que sequer consegue tocar.

Já o termo Telling se refere ao ato de narrar e, mais especificamente, às narrativas. A diferença é que essa é a parte tangível do conteúdo. São os livros, as películas, os DVDs, os cartuchos… Telling é a morada da expressão. Assim como a madeira da fogueira, a função da narrativa é permitir que o fogo apareça.

Assim temos que a definição de storytelling é, literalmente, narrar histórias.

“Na prática, storytelling é a forma mais primitiva e, ainda hoje, a mais sofisticada de transmitir uma mensagem.”
Castores sabem represar um rio e transformar o ambiente a seu favor. Alguns macacos sabem fazer ferramentas de pesca. Os humanos são a única espécie que conta histórias. Storytelling é o que nos diferencia dos outros animais.

Começamos a contar histórias nas cavernas, ao redor de fogueiras, e foi justamente por isso que chegamos até onde estamos hoje: no topo da cadeia alimentar.

Por que Storytelling é um conceito novo?

Ora, porque apesar de nós, seres-humanos, contarmos histórias há milhares de anos, nossas empresas estão aprendendo essa arte há pouco tempo. O Google Trends não me deixa mentir:

No Brasil, o interesse tem sido crescente. De novo o Google Trends:

Apesar do tema ser recente dentro das grandes corporações, entre as 3 grandes tendências de marketing para 2013, adivinha quem aparece? Pois é, a nossa amiga Narração de Histórias.

Quando esse tipo de coisa acontece, aparece um monte de gente para falar do assunto. E aí vão dizer que storytelling é uma técnica de comunicação ou, pior, uma ferramenta de marketing. Só digo uma coisa:

“Usar Storytelling como ferramenta, é igual ausar uma Ferrari para transportar tijolos.” 

O pensamento do Storytelling vai muito além de uma simples aplicação pontual. Claro que você pode contar uma anedota para abrir uma apresentação, OK, mas convenhamos que isso não seria o suficiente para fazer do Storytelling a grande tendência do momento, não é mesmo?

Por que o mundo corporativo está tão interessado em Storytelling?

A primeira coisa é que uma história boa e bem contada nos faz descruzar os braços, sentar na ponta da poltrona e impedir que os olhos pisquem. A gente quer absorver cada detalhe da narrativa. No mundo corporativo, isso é chamado de:
“Otimização do share de olhos e ouvidos”
Isso significa que quando a gente mergulha numa história, a gente mergulha de cabeça. A gente larga tudo e segura o livro com as duas mãos e até desliga o celular no cinema. Quem mais tem esse poder de cativar nossa atenção? 
Mais do que uma audiência de leitores, ouvintes ou gamers, quando nos conectamos a uma história, estamos atentos. 
Estar atento se traduz em motivação. Ter atentos garante engajamento. Trocando em miúdos, contar histórias serve tanto para o público interno, como externo.
No ano em que escrevi a primeira monografia brasileira sobre Storytelling, li um artigo da Harvard Business Review que falava que todas as áreas de uma empresa podem se beneficiar com Storytelling: um vendedor pode contar uma história em que o produto é o herói, um gerente de produtos pode incentivar a equipe com uma história que mostre que sacrifícios pontuais geram o sucesso no longo termo, um CEO pode usar uma história emotiva sobre a missão da empresa para atrair investidores e parceiros e inspirar os colaboradores.

Mas e do lado de fora das corporações? Por exemplo, como que uma agência de publicidade pode se beneficiar com Storytelling?

Se Storytelling fosse estudado no campo das ciências exatas, seria representado assim: S > T. A história é sempre maior do que a narrativa. Nesse índice, quanto maior for o S em proporção ao T, melhor será o T. Mas como não é estudado em exatas, vou explicar assim:
“O segredo está nos detalhes, meu caro Watson”
Antes de perguntar se anúncio X é Storytelling, procure ver se existe uma história maior por trás. Qualquer filme você vai conhecer tudo sobre o protagonista: onde ele mora, o que ele quer da vida, de quem ele gosta, quem não gosta dele… Agora tente achar um anúncio sequer em que o protagonista tenha nome. Pois é.
Antes que alguém diga que anúncios são curtos e que por isso são rasos, esse é só mais um argumento a favor do Storytelling: a história pode começar no anúncio e continuar em outras plataformas. É como se o anúncio fosse o trailer para um filme bacana na internet, e o filme bacana na internet vendesse o a marca de uma forma mais bacana ainda. Mas isso é só um exemplo, tem várias formas de valorizar a propaganda e outras formas de comunicação através de Storytelling.

Falando nisso, o que o jornalismo pode aprender com Storytelling?

Na verdade, o jornalismo pode “reaprender” com o Storytelling. Afinal, as equipes dos primeiros jornais eram compostos por equipes de escritores e poetas. Na década de 60 nos Estados Unidos, o jornalismo se confundiu com a literatura no estilo chamado de New Journalism. Era uma luta contra o objetivismo das reportagens diretas e ditas “imparciais”.
Se na era do jornalismo impresso a reportagem objetiva levou vantagem pela economia de espaço na página, na era da internet ele perde espaço para outras linguagens mais interessantes. Assim que nos dias de hoje:“Enquanto você tiver atenção do seu leitor, você tem todo o tempo do Mundo.”
O jornalista aprende a começar uma matéria com o lead que responda as perguntas “o quê?”, “quem?”, “quando?”, “onde?” e “por quê?”. Já o Storytelling ensina que é mais interessante segurar as respostas. Tudo tem a hora certa na arte da narrativa. Pressa é uma palavra que não existe no vocabulário do Storyteller.

Como será o Storytelling no futuro?

Todas atividades humanas serão revestidas por Storytelling. Desde os projetos corporativos, até as escolas, tudo deve se tornar plataforma para narrativa. Não vai ter sequer um powerpoint que não conte uma história.

Se realmente vai ser assim, eu não posso afirmar. Diferente de muitos personagens de histórias clássicas, eu não tenho uma bola de cristal. Mas não seria interessante?

Quer saber mais sobre Storytelling? Leia o artigo completo